DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA

       
SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 08/05/2018

Reunião avalia GAMs e traça metas para 2018

Cresceu a busca por sacramentos entre adultos. Um dos frutos

 
Padre Joel Nalepa e o ecônomo da Diocese, padre Mário Dwulatka, destacaram a importância da atuação dos conselhos Padre Joel Nalepa e o ecônomo da Diocese, padre Mário Dwulatka, destacaram a importância da atuação dos conselhos | Crédito: Assessoria de Comunicação da Diocese de Ponta Grossa

      “Fiquei feliz, entusiasmado com a presença, a repercussão e a participação dos leigos missionários responsáveis pelos GAMs bem como com o desejo de serviço que existe na equipe do Cadae em fazer com que as atividades da comunidade samaritana, dimensão missionária e Igreja em saída possam continuar a ser uma opção clara por parte da igreja diocesana. Agradeço a doação de todos!”. Assim o padre Joel Nalepa resumiu a sua primeira reunião com os integrantes dos Grupos de Animação Missionária, enquanto coordenador diocesano da Ação Evangelizadora. Mais de 110 pessoas, vindas de 25 das 46 paróquias da Diocese, se encontraram, sábado (5)  no salão paroquial da igreja Imaculada Conceição, em Ponta Grossa.

      Em pauta, a avaliação do projeto Comunidade Samaritana e o planejamento dos próximos passos. O bispo dom Sergio Arthur Braschi esteve com os missionários. “Muito bom ver tantas pessoas alegres, reunidas para contar o que de bonito estão fazendo para ensinar a Palavra de Deus, aproximar e trazer de volta os afastados”, elogiou, citando o Ano do Laicato e a missão de leigos e leigas pela Igreja. Organizado pelo Conselho de Animação da Ação Evangelizadora (Cadae), o encontro teve, logo após o momento de espiritualidade e reflexão, a dezena do terço rezada por todas as vocações sacerdotais e religiosas, conforme a proposta da ação evangelizadora ‘Cada Comunidade uma Nova Vocação’.

      Padre Joel lembrou que muitos grupos já concluíram o ciclo de 12 visitas e era preciso dar uma orientação sobre a continuidade do trabalho. “Além do que pude perceber os frutos gerado nas comunidades, sobretudo a busca por sacramentos por pessoas adultas, crianças participando mais da catequese, famílias retornando a participação. Bons testemunhos foram dados, destacando também o surgimento de novas lideranças, o fortalecimento de algumas pastorais e a percepção da realidade de cada paróquia para que a evangelização seja mais eficiente e eficaz também”, detalhou. Entre os desafios, foram citadas a falta de tempo, falta de missionários, falta de ânimo por parte de alguns grupos e a falta de apoio. “É preciso intensificar o compromisso de apoiar as iniciativas, aquilo que nós, enquanto Igreja Samaritana, precisamos desenvolver para que as paróquias, através dos seus missionários, tenham esse trabalho como processo de continuidade”, orientou.

      De acordo com o coordenador da Ação Evangelizadora, no planejamento deste ano está prevista a incorporação no trabalho evangelizador a oração com as famílias, os missionários e as comunidades pedida pela Ação Evangelizadora Em Cada Comunidade uma Nova Vocação, “para que estejamos em sintonia, em comunhão com aquilo que nos pede a Igreja, que assumimos enquanto Diocese”, destacou padre Joel para quem.há necessidade também de uma formação missionária aos membros dos conselhos. “ Para que todos tenham a visão que não é um trabalho isolado, mas um compromisso. Todos os organismos, associações, conselhos, pastorais e movimentos precisam assumir isso como um jeito de ser Igreja. Toda paróquia precisa nessa renovação paroquial, conversão pastoral, assumir essa dimensão da missionaridade”, acrescentou.

      Como compromisso para maio, o fortalecimento e até a criação de GAMs nas paróquias onde ainda não existe, a formação das equipes paroquiais vocacionais – em agosto, como fruto da ação evangelizadora - intensificar a leitura orante para os grupos e comunidades – em setembro – e celebrar de maneira especial, em outubro, os nove encontros propostos pela Igreja e alguma iniciativa que envolva toda a Diocese em um grande encontro missionário. “Não sei o que será ou como sera feito, mas com a caminhada, quero tomar as decisões e medidas para que o mês seja vivido com bastante ênfase dentro daquilo do que propõe a  Igreja para vivermos bem a campanha missionária”, enumerou o coordenador, ressaltando ainda a importância e necessidade de valorizar o Ano do Laicato, com, por exemplo, o estudo e reflexão até julho da Cartilha de Orientação Política.


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| da | Padre conhece santuário de irmã Cleusa | Dia da Mãe Aparecida é festejado pelos devotos | Santuário de Brotas terá programação especial dia 12 |





Publicado em: 08/05/2018

Reunião avalia GAMs e traça metas para 2018

Cresceu a busca por sacramentos entre adultos. Um dos frutos

 

      “Fiquei feliz, entusiasmado com a presença, a repercussão e a participação dos leigos missionários responsáveis pelos GAMs bem como com o desejo de serviço que existe na equipe do Cadae em fazer com que as atividades da comunidade samaritana, dimensão missionária e Igreja em saída possam continuar a ser uma opção clara por parte da igreja diocesana. Agradeço a doação de todos!”. Assim o padre Joel Nalepa resumiu a sua primeira reunião com os integrantes dos Grupos de Animação Missionária, enquanto coordenador diocesano da Ação Evangelizadora. Mais de 110 pessoas, vindas de 25 das 46 paróquias da Diocese, se encontraram, sábado (5)  no salão paroquial da igreja Imaculada Conceição, em Ponta Grossa.

      Em pauta, a avaliação do projeto Comunidade Samaritana e o planejamento dos próximos passos. O bispo dom Sergio Arthur Braschi esteve com os missionários. “Muito bom ver tantas pessoas alegres, reunidas para contar o que de bonito estão fazendo para ensinar a Palavra de Deus, aproximar e trazer de volta os afastados”, elogiou, citando o Ano do Laicato e a missão de leigos e leigas pela Igreja. Organizado pelo Conselho de Animação da Ação Evangelizadora (Cadae), o encontro teve, logo após o momento de espiritualidade e reflexão, a dezena do terço rezada por todas as vocações sacerdotais e religiosas, conforme a proposta da ação evangelizadora ‘Cada Comunidade uma Nova Vocação’.

      Padre Joel lembrou que muitos grupos já concluíram o ciclo de 12 visitas e era preciso dar uma orientação sobre a continuidade do trabalho. “Além do que pude perceber os frutos gerado nas comunidades, sobretudo a busca por sacramentos por pessoas adultas, crianças participando mais da catequese, famílias retornando a participação. Bons testemunhos foram dados, destacando também o surgimento de novas lideranças, o fortalecimento de algumas pastorais e a percepção da realidade de cada paróquia para que a evangelização seja mais eficiente e eficaz também”, detalhou. Entre os desafios, foram citadas a falta de tempo, falta de missionários, falta de ânimo por parte de alguns grupos e a falta de apoio. “É preciso intensificar o compromisso de apoiar as iniciativas, aquilo que nós, enquanto Igreja Samaritana, precisamos desenvolver para que as paróquias, através dos seus missionários, tenham esse trabalho como processo de continuidade”, orientou.

      De acordo com o coordenador da Ação Evangelizadora, no planejamento deste ano está prevista a incorporação no trabalho evangelizador a oração com as famílias, os missionários e as comunidades pedida pela Ação Evangelizadora Em Cada Comunidade uma Nova Vocação, “para que estejamos em sintonia, em comunhão com aquilo que nos pede a Igreja, que assumimos enquanto Diocese”, destacou padre Joel para quem.há necessidade também de uma formação missionária aos membros dos conselhos. “ Para que todos tenham a visão que não é um trabalho isolado, mas um compromisso. Todos os organismos, associações, conselhos, pastorais e movimentos precisam assumir isso como um jeito de ser Igreja. Toda paróquia precisa nessa renovação paroquial, conversão pastoral, assumir essa dimensão da missionaridade”, acrescentou.

      Como compromisso para maio, o fortalecimento e até a criação de GAMs nas paróquias onde ainda não existe, a formação das equipes paroquiais vocacionais – em agosto, como fruto da ação evangelizadora - intensificar a leitura orante para os grupos e comunidades – em setembro – e celebrar de maneira especial, em outubro, os nove encontros propostos pela Igreja e alguma iniciativa que envolva toda a Diocese em um grande encontro missionário. “Não sei o que será ou como sera feito, mas com a caminhada, quero tomar as decisões e medidas para que o mês seja vivido com bastante ênfase dentro daquilo do que propõe a  Igreja para vivermos bem a campanha missionária”, enumerou o coordenador, ressaltando ainda a importância e necessidade de valorizar o Ano do Laicato, com, por exemplo, o estudo e reflexão até julho da Cartilha de Orientação Política.


Diocede Ponta Grossa
Padre Joel Nalepa e o ecônomo da Diocese, padre Mário Dwulatka, destacaram a importância da atuação dos conselhos   |   Assessoria de Comunicação da Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Representantes de 25 paróquias participaram da tarde de avaliação e planejamento, que teve trabalho em grupo   |   Assessoria de Comunicação da Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Representantes de 25 paróquias participaram da tarde de avaliação e planejamento, que teve trabalho em grupo   |   Assessoria de Comunicação da Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Momento de espiritualidade foi conduzido pela irmã Edites Bet   |   Assessoria de Comunicação da Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Momento de espiritualidade foi conduzido pela irmã Edites Bet   |   Assessoria de Comunicação da Diocese de Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia



Cúria
Cúria
Imprensa
Clipping
Download