DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 25/03/2019

Cáritas elege nova diretoria

Diácono Gilson Camilo assume presidência

 
A nova diretoria conta com representantes de Ponta Grossa e de Castro A nova diretoria conta com representantes de Ponta Grossa e de Castro | Crédito: Ana Paula Andrade/Assessoria Cáritas Ponta Grossa

      A Cáritas Diocesana de Ponta Grossa tem uma nova diretoria. Eleitos para um mandato de dois anos, o presidente Gilson Camilo da Silva (Comissão Diocesana de Diáconos), o vice, Augusto Rota (Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora), o tesoureiro Rafael Serato (Associação de Promoção à Menina/APAM) e o secretário, Altair Justino (Paróquia São José) assumiram a entidade no último sábado (23), com o desafio de manter sua reconhecida ação e ainda ampliar os trabalhos, em especial, junto às entidades sociais.

      Esse ao menos é o pensamento do diácono permanente há cinco anos, que atua na Paróquia Nossa Senhora do Pilar e acompanha como vice-presidente a Casa Mãe do Bom Conselho – de acolhimento de moradores de rua – e a Pastoral da Criança. Gilson Camilo da Silva, na Cáritas há dois anos, destacou que trabalhará a partir de seu lema de ordenação, Lucas 5, 5: ‘por causa da tua palavra, lançarei minhas redes’. “A minha pequenez é muito grande, mas eu confio totalmente na Palavra de Deus. Deixando que o Espírito Santo conduza, nós, como seres humanos, vamos saber fazer um bom trabalho, com certeza!”, afirmou, garantindo que fará o possível para estar mais próximo das entidades para dar apoio, para desenvolver projetos e definir linhas que possibilitem o recebimento de recursos dos fundos nacional e diocesano de solidariedade.

      Silva trabalha como técnico em manutenção e tem que cumprir horário. Ainda assim quer estar mais próximo das 23 entidades-membro. “Faltam projetos e sobram recursos. Para que isso não aconteça é preciso estar mais junto”, acrescentou. O novo presidente também quer ampliar a atuação quanto a Nota Paraná, que hoje custeia os serviços administrativos da Cáritas e ajuda na execução de vários projetos. “Se o programa do governo continuar, a ação prossegue. É um dinheiro que entra não só para a Cáritas, mas várias entidades. Vou  trabalhar e  fazer com que outras instituições entrem, usem o Nota Paraná. Não há necessidade de a Cáritas arrecadar e repassar. Vou ajudar que a própria entidade arrecade e utilize os recursos”, acrescentou. A Pastoral da Criança usa o dinheiro para pagar funcionários, exemplificou.

      Para o secretário da Cáritas Paraná, Amauri Mossmann, a sustentabilidade é o grande desafio nacional, estadual e das dioceses. “A iniciativa de Ponta Grossa se destaca a nível estadual dentro do Nota Paraná. É a diocese mais bem organizada e onde vem dando bom retorno. Isso traz o fortalecimento da entidade local e faz com que se possibilite avançar na realização de projetos e, em contrapartida, dar o sentido pleno ao Fundo Diocesano de Solidariedade, que é esse repasse direto e promoção de projeto com a comunidade”,  enfatizou. A acolhida a migrantes, temática de destaque da Caritas regional dentro do contexto nacional, na Diocese de Ponta Grossa, tem grande e positiva resposta, bem como a inclusão dos apenados.


Eleição

      Na eleição, votaram representantes de 19 das 23 entidades-membro. Os votantes  optaram por oficializar a chapa com nomes e funções definidos sob consenso, previamente pela diretoria. “Todos muito bons. Já conheço alguns, temos trabalho juntos”, avaliou o presidente Gilson Camilo. Integram a diretoria ainda Rogério César Mendes (segundo tesoureiro/Paróquia São Judas Tadeu) e Adriano Roberto dos Santos (segundo secretário/Cavanis, de Castro). No Conselho Fiscal estão João Ozório Carneiro da Matta, Ronaldo Manisco e Rosângela Rigoni. A assembleia que elegeu a nova diretoria  foi acompanhada pelo bispo dom Sergio Arthur Baschi, presidente de honra da Cáritas.

      À frente da Cáritas de 2017 a 2019, o também diácono permanente Alfredo Assad disse que o trabalho foi muito gratificante. “Tivemos a ajuda da diretoria e das funcionárias, e, tivemos a felicidade de projetos e da Nota Solidária, que tem ajudado bastante no trabalho. O momento é de agradecer as comunidades e paróquias que auxiliam com a coleta e pessoas voluntárias que fazem a coleta de notas. Graças a esse programa arcamos com os custos administrativos fixos e diversos projetos, como o que ajuda migrantes. É com o dinheiro do Nota Paraná que conseguimos pagar traduções de documentos e ajudar os venezuelanos que vieram”.

      A Cáritas Ponta Grossa foi criada oficialmente em 5 de agosto de 2007, como resultado dos trabalhos desenvolvidos pela equipe do Mutirão Contra a Miséria e a Fome.


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
|





Publicado em: 25/03/2019

Cáritas elege nova diretoria

Diácono Gilson Camilo assume presidência

 

      A Cáritas Diocesana de Ponta Grossa tem uma nova diretoria. Eleitos para um mandato de dois anos, o presidente Gilson Camilo da Silva (Comissão Diocesana de Diáconos), o vice, Augusto Rota (Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora), o tesoureiro Rafael Serato (Associação de Promoção à Menina/APAM) e o secretário, Altair Justino (Paróquia São José) assumiram a entidade no último sábado (23), com o desafio de manter sua reconhecida ação e ainda ampliar os trabalhos, em especial, junto às entidades sociais.

      Esse ao menos é o pensamento do diácono permanente há cinco anos, que atua na Paróquia Nossa Senhora do Pilar e acompanha como vice-presidente a Casa Mãe do Bom Conselho – de acolhimento de moradores de rua – e a Pastoral da Criança. Gilson Camilo da Silva, na Cáritas há dois anos, destacou que trabalhará a partir de seu lema de ordenação, Lucas 5, 5: ‘por causa da tua palavra, lançarei minhas redes’. “A minha pequenez é muito grande, mas eu confio totalmente na Palavra de Deus. Deixando que o Espírito Santo conduza, nós, como seres humanos, vamos saber fazer um bom trabalho, com certeza!”, afirmou, garantindo que fará o possível para estar mais próximo das entidades para dar apoio, para desenvolver projetos e definir linhas que possibilitem o recebimento de recursos dos fundos nacional e diocesano de solidariedade.

      Silva trabalha como técnico em manutenção e tem que cumprir horário. Ainda assim quer estar mais próximo das 23 entidades-membro. “Faltam projetos e sobram recursos. Para que isso não aconteça é preciso estar mais junto”, acrescentou. O novo presidente também quer ampliar a atuação quanto a Nota Paraná, que hoje custeia os serviços administrativos da Cáritas e ajuda na execução de vários projetos. “Se o programa do governo continuar, a ação prossegue. É um dinheiro que entra não só para a Cáritas, mas várias entidades. Vou  trabalhar e  fazer com que outras instituições entrem, usem o Nota Paraná. Não há necessidade de a Cáritas arrecadar e repassar. Vou ajudar que a própria entidade arrecade e utilize os recursos”, acrescentou. A Pastoral da Criança usa o dinheiro para pagar funcionários, exemplificou.

      Para o secretário da Cáritas Paraná, Amauri Mossmann, a sustentabilidade é o grande desafio nacional, estadual e das dioceses. “A iniciativa de Ponta Grossa se destaca a nível estadual dentro do Nota Paraná. É a diocese mais bem organizada e onde vem dando bom retorno. Isso traz o fortalecimento da entidade local e faz com que se possibilite avançar na realização de projetos e, em contrapartida, dar o sentido pleno ao Fundo Diocesano de Solidariedade, que é esse repasse direto e promoção de projeto com a comunidade”,  enfatizou. A acolhida a migrantes, temática de destaque da Caritas regional dentro do contexto nacional, na Diocese de Ponta Grossa, tem grande e positiva resposta, bem como a inclusão dos apenados.


Eleição

      Na eleição, votaram representantes de 19 das 23 entidades-membro. Os votantes  optaram por oficializar a chapa com nomes e funções definidos sob consenso, previamente pela diretoria. “Todos muito bons. Já conheço alguns, temos trabalho juntos”, avaliou o presidente Gilson Camilo. Integram a diretoria ainda Rogério César Mendes (segundo tesoureiro/Paróquia São Judas Tadeu) e Adriano Roberto dos Santos (segundo secretário/Cavanis, de Castro). No Conselho Fiscal estão João Ozório Carneiro da Matta, Ronaldo Manisco e Rosângela Rigoni. A assembleia que elegeu a nova diretoria  foi acompanhada pelo bispo dom Sergio Arthur Baschi, presidente de honra da Cáritas.

      À frente da Cáritas de 2017 a 2019, o também diácono permanente Alfredo Assad disse que o trabalho foi muito gratificante. “Tivemos a ajuda da diretoria e das funcionárias, e, tivemos a felicidade de projetos e da Nota Solidária, que tem ajudado bastante no trabalho. O momento é de agradecer as comunidades e paróquias que auxiliam com a coleta e pessoas voluntárias que fazem a coleta de notas. Graças a esse programa arcamos com os custos administrativos fixos e diversos projetos, como o que ajuda migrantes. É com o dinheiro do Nota Paraná que conseguimos pagar traduções de documentos e ajudar os venezuelanos que vieram”.

      A Cáritas Ponta Grossa foi criada oficialmente em 5 de agosto de 2007, como resultado dos trabalhos desenvolvidos pela equipe do Mutirão Contra a Miséria e a Fome.


Diocede Ponta Grossa
A nova diretoria conta com representantes de Ponta Grossa e de Castro   |   Ana Paula Andrade/Assessoria Cáritas Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Amauri Mossmann, da Cáritas Paraná, elogiou a sustentabilidade da entidade na Diocese   |   Ana Paula Andrade/Assessoria Cáritas Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Dom Sergio, presidente de honra da Cáritas diocesana, acompanhou a eleição   |   Ana Paula Andrade/Assessoria Cáritas Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
A assinatura do termo de posse dos eleitos aconteceu já na tarde de sábado   |   Ana Paula Andrade/Assessoria Cáritas Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia